Futuro dos Códigos de Barras, RFID e Códigos de Imagem

28/09/2020
Por cbbr
futuro do código de barras

O futuro dos códigos de barras parece promissor.

Imagine comprar uma lata de Coca-Cola na loja. O funcionário da loja o pega para escanear no caixa, mas não possui um código de barras capaz de escanear. Em vez disso, o funcionário move a lata na frente de um scanner com tecnologia de reconhecimento de imagem. O sistema reconhece a etiqueta vermelha e branca como uma lata de Coca-Cola tradicional e a liga para todos enquanto o scanner está verificando para garantir que o item seja realmente genuíno. Esta não é uma cena do mais recente sucesso de bilheteria futurista de Hollywood, mas um ponto da tecnologia que se aproxima rapidamente.

O reconhecimento de fotos está se tornando uma realidade em larga escala. Essa tecnologia tem uma aplicação potencial fantástica na substituição da maneira como tradicionalmente pensamos em códigos de barras, porque todo o objeto se torna digitalizável por si só. À medida que a tecnologia do scanner continua a evoluir, haverá menos necessidade e demanda por códigos de barras 1D. Os códigos de barras 1D podem conter apenas um máximo de 85 caracteres.

Por outro lado, os códigos de barras 2D podem armazenar mais de 7.000 caracteres, permitindo transmitir quase dois parágrafos de informações.Ao migrar para códigos de barras 2D, as empresas podem transmitir informações muito mais complexas, como datas de validade e números de série, tudo sem a necessidade de qualquer digitalização adicional. À medida que a demanda por processamento de mais informações sobre produtos continuar crescendo, os códigos de barras 2D serão a força dominante no que consideramos um código de barras tradicional.

Um exemplo comum dessa tecnologia são os códigos QR. Esses códigos permitem que as empresas tenham interações complexas com os consumidores. Os códigos QR criaram possibilidades como o supermercado virtual que a TESCO construiu em uma estação de metrô coreana ou a extensa campanha de cupons que a Pizza Hut usou para ajudar a aumentar as vendas de dispositivos móveis.

Os códigos de barras farão a varredura

No futuro imediato, você verá essas duas tecnologias sendo utilizadas em conjunto com melhores dispositivos de verificação, como “túneis de verificação automática”, que podem verificar o código de um item, independentemente de como ele passa pelo dispositivo. Esses tipos de sistemas também podem processar itens a uma taxa muito mais rápida, mesmo processando itens de um transportador que se move a 67 pés por minuto. A segunda fase que vemos no futuro dos códigos de barras está em “códigos de barras de imagem” que, como mencionado acima, poderão digitalizar um item (como a lata de Coca-Cola) com base em seu logotipo e aparência.

Com a introdução dos Códigos de barras Digimarc por exemplo, onde UPC/EAN é impercebivelmente incorporado pela superfície inteira da embalagem, Você possui uma embalagem que parece não mais ter um código de barras e ainda assim ser capaz de transmitir toda a informação necessária no ponto de compra  numa taca muito mais rápida. Uma taxa de digitalização mais rápida é alcançada porque caixas e compradores que utilizam a verificação automática não precisam mais procurar o código de barras tradicional.

Esse tipo de tecnologia não apenas permite tempos de checkout mais rápidos, mas permite que os consumidores acessem informações adicionais sobre o produto, simplesmente digitalizando o pacote do produto com um aplicativo móvel ativado. Isso vai um passo além do software de reconhecimento de imagem, como o “Google Lens”, e pode dar à marca e aos varejistas um alto nível de controle sobre exatamente o que os consumidores experimentam quando se envolvem com seus produtos.

RFID

No lado comercial, as etiquetas RFID têm um excelente potencial no lado de armazenamento e rastreamento de ativos, pois podem confiar informações a uma distância maior (até 100 metros em alguns casos), tornando possível saber exatamente quanto de algo você tem em tempo real e reduzindo o risco de inventário mal contabilizado.

Muitos consumidores desconhecem o impacto que várias tecnologias já estão causando em suas vidas. Pense nas etiquetas usadas pela estrada com pedágio local para cobrar seu pagamento, por exemplo. Em muitos casos, essas etiquetas são equipadas com chips RFID, permitindo que a estrada com pedágio colete todas as suas informações relevantes, mesmo quando você estiver viajando em velocidades de rodovia. Infelizmente, o RFID não ganhou tanta tração quanto ele tem de potencial. Isso se deve principalmente ao alto custo das etiquetas RFID, que em alguns casos custam até R$1 em comparação com um código de barras impresso, que custa uma fração de um centavo.

Se começarmos a ver uma queda maciça no custo de implementação dessa tecnologia para os negócios, ela poderá ser bem-sucedida. A ascensão do código de barras da imagem, no entanto, pode ofuscar os benefícios do RFID no front-end do varejo, caso não consiga uma rápida adoção em breve. O outro grande obstáculo enfrentado pela adoção em massa da tecnologia RFID é que, para colher as recompensas reais do RFID, toda a cadeia de suprimentos (de fábrica para a família) deve implementar a tecnologia RFID. Pelo preço atual, esse é um empreendimento extremamente caro que requer a compra de novos equipamentos em todos os níveis da cadeia. Apesar dos desafios enfrentados pela adoção do RFID, o uso da tecnologia cresce cerca de 14% ao ano, de acordo com a pesquisa da ABI, e foi projetado para exceder US $8,25 bilhões em 2014.

Você está começando a ver a ascensão da tecnologia NFC (Comunicação por Campo de Proximidade), a tecnologia que possibilita pagamentos móveis por meio do Google Wallet e Apple Pay. Agora que os telefones da Apple se juntaram a uma infinidade de dispositivos Android que incluem essa tecnologia, a IHS Technology espera que 2 em cada 3 telefones sejam habilitados para utilizar essa tecnologia até 2018.

A maneira como a NFC funciona é bem simples; você precisa de uma “etiqueta” NFC e de um dispositivo que possa interagir com ele (geralmente um telefone). A etiqueta envia um comando para o telefone, solicitando que ele faça algo, como enviar um pagamento na caixa registradora. Esses tipos de etiquetas podem (e estão sendo) incorporados a produtos e embalagens, permitindo que os consumidores obtenham informações detalhadas sobre o produto, como vídeos ou críticas. Por exemplo, uma equipe de pesquisa do MIT produziu com sucesso um sensor que informa se a sua comida ainda é segura para comer, simplesmente acenando com um dispositivo habilitado para NFC sobre a embalagem.

O Futuro

Nos últimos 20 anos, a tecnologia de código de barras tem sido o bastião de empresas maiores que adotaram a tecnologia, a fim de reduzir passivamente os erros humanos e aumentar a eficiência nas operações comerciais. Por outro lado, quase 50% das pequenas empresas nem usam códigos de barras para rastrear seus estoques e ativos. Graças ao custo cada vez menor dos scanners de código de barras, esperamos que essa taxa de adoção aumente entre 75% a 80% nos próximos 5 a 7 anos.

Mais de 65% dos brasileiros já estão usando smartphones. Isso lhes dá acesso à Internet e tecnologia de código de barras, sob demanda, e está pronto para ajudar a tornar a Internet das coisas uma realidade para o consumidor comum também. Você continuará vendo uma convergência maciça de tecnologia para smartphone, etiquetas de rádio ou pacotes com códigos de barras invisíveis, todos projetados para oferecer aos consumidores um nível sem precedentes de informações e controle de produtos; qualquer hora qualquer lugar. Esse nível sem precedentes de conveniência e controle levará quase dois terços dos consumidores a dar um pulo na Internet das coisas nos próximos 5 anos.

O código de barras EAN 13 ainda é muito importante, mas como inúmeras peças de tecnologia anteriores, um dia chegará ao fim de sua vida útil. À medida que os scanners se tornem mais acessíveis e a tecnologia mais nova se torna mais acessível, e veremos alguns códigos de barras desaparecerem completamente.

Os logotipos e imagens de nossos produtos favoritos não serão apenas para publicidade e para promover o reconhecimento e a lealdade dos consumidores. Esses logotipos serão o que nos indica onde um produto foi fabricado, quanto custa e quando expira. A tecnologia está disponível e é assim que será o futuro dos códigos de barras, RFID e códigos de barras de imagem. Até mesmo a maneira como compramos uma simples lata de Coca-Cola será afetada.

Se o RFID fosse uma opção mais acessível hoje, como a capacidade de rastrear o inventário do armazém em tempo real mudaria a maneira como sua empresa interage com os clientes? Quanto tempo você economizaria a cada dia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *